O que você procura?

Programa Donas de Si inicia cursos no Barreiro, Sacramenta e Telégrafo

• Atualizado há 1 ano ago

A Prefeitura de Belém iniciou as últimas turmas, de 2022, de qualificação profissional do programa Donas de Si. São 80 vagas ofertadas para os bairros da Sacramenta, Barreiro e Telégrafo nos cursos de Panificação, Produtos de Higiene e Limpeza e Bolos e Doces para Festas.

Os cursos oferecidos nesses bairros são realizados por meio do contrato de prestação de serviço firmado com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e tem duração de duas semanas (40 horas-aula). As aulas começaram na segunda-feira, 28 de novembro, e terminarão na sexta-feira, 9 de dezembro. Ao final, serão emitidos certificados do Senar com validade em todo o território nacional.

Estratégia

O Donas de Si é uma estratégia política do governo do prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, que visa a promover a autonomia financeira da população, por meio de cursos de formação profissional. 

Turma do curso de Bolos e Doces para Festa, reunida no salão paroquial da Igreja São Benedito.

“É importante as famílias participarem de ações que envolvem o Donas de Si, que oferece autonomia financeira e capacitação, além de informar que temos o crédito solidário do Banco do Povo. É uma forma de auxiliar no combate à fome em Belém”, destacou o prefeito. 

Renda

A costureira Carla Barros, de 32 anos, moradora do Telégrafo, decidiu fazer o curso de Panificação, no turno da tarde, como forma de obter uma renda extra e também de melhorar a alimentação dos filhos. “Tudo tá ficando tão caro!”, pontuou Carla. “Estou adorando esse curso porque tem coisas que não sabia e tô aprendendo. A professora ensina muito bem. Hoje, estou aprendendo pizza, eu era louca pra aprender isso”.

Alessandra Vieira, de 25 anos, do Barreiro, está cursando Bolos e Doces para Festa. Mãe de dois filhos pequenos, ela está sem trabalho remunerado e o marido mantém a família fazendo “bicos”.

Alessandra Vieira, de 25 anos, aluna de Bolos e Doces para Festas: “Vou depender de mim mesma”.

“Eu já sabia fazer bolos e doces, mas estou aprendendo muito mais. Eu posso investir nisso para ter lucro. Meu sonho é me tornar confeiteira e doceira. Já vendi chope (de frutas) e verduras na rua, os meus pais eram ambulantes. Não tenho vergonha. Vou depender de mim mesma, não de homem nenhum”, enfatizou Alessandra.

Já a técnica de enfermagem Nazaré Nunes, 59 anos, parou de trabalhar após 23 anos, porque adoeceu gravemente de covid-19. Nazaré Nunes reside na Sacramenta e está apostando no curso de fabricação de Produtos de Higiene e Limpeza. “O curso está sendo muito gratificante. Não quero guardar esse conhecimento pra mim, quero produzir para vender”, afirmou.

Instrutora Fabielle Negrão com os alunos na aula de Produtos de Higiene e Limpeza.

Balanço

“A expectativa é e’ncerrar o ano com cerca de 1 mil alunos qualificados no Donas de Si”, antecipou a coordenadora-geral do Banco do Povo de Belém, Georgina Galvão, órgão por meio do qual o programa é realizado.

Na quinta-feira, 1, Georgina visitou as quatro turmas de alunos que funcionam nos turnos da manhã e da tarde, para dar as boas-vindas ao programa Donas de Si e orientar sobre a possibilidade de obter o crédito solidário para empreender.  

A instrutora Fabielle Serrão, do curso de Produtos de Limpeza, contou que os alunos estão entusiasmados. Eles estão aprendendo a fazer sabão em barra, em pó e líquido, sabonete, desinfetante, amaciante de roupas, detergente, brilha alumínio e água sanitária, entre outros. Inclusive, na produção do sabão eles aprendem a reutilizar óleos, banhas e gorduras, a retirar o cheiro e acrescentar essências para fazer um produto bom.

Alunas mostram o doce de massa folhada, Vous-Voulez, que aprenderam no curso de Panificação.

A instrutora Gyselle Monteiro, do curso de Bolos e Doces, também elogiou o empenho dos alunos. “A turma é bem interessada e assídua. Eles (alunos) estão aprendendo a fazer vários tipos de bolos, biscoitos e sobremesas”. 

Parceiros

O Centro de Referência de Assistência Social do Barreiro (Cras), da Fundação Papa João XXIII, realizou a mobilização, entre o público atendido pela instituição, para a formação das quatro turmas.

“O Cras está à disposição para trabalhar em parceria”, disse a diretora Leila Almeida. Ela participou da visita às turmas, onde trouxe mais informações sobre o acesso ao programa de renda cidadã Bora Belém.

As aulas acontecem em espaços cedidos e localizados dentro das comunidades. O curso de Panificação acontece na sede da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, na Sacramenta, e os outros dois cursos, no salão paroquial da Igreja São Benedito, no Barreiro. 

Veja também