Open Society Foundations avalia possibilidade de investir no Banco do Povo de Belém

O oficial para assuntos de justiça climática da Open Society Foundations na América Latina, Iago Hairon, visitou o Banco do Povo, da Prefeitura de Belém, para conhecer as iniciativas que vêm apoiando microempreendedores populares, por meio do programa de qualificação profissional gratuita Donas de Si, voltado a mulheres, e do crédito solidário, para pequenos negócios. Ele foi recebido na última quarta-feira, 1º de junho, pela coordenadora-geral do Banco, Georgina Galvão.

A Open Society é uma ong internacional, que financia a ONU Mulheres na cooperação recém-firmada com a Prefeitura de Belém, para promover direitos e oportunidades às cuidadoras, ajudando a reequilibrar responsabilidades com os homens, a gestão pública, as empresas e a sociedade, para a melhor inserção laboral das mulheres.

Qualificação – O programa Donas de Si iniciou há um ano e já qualificou 310 mulheres dos bairros do Bengui, Tapanã e Jurunas e nos distritos de Icoaraci e Outeiro, além de 20 LGBTQIA+.

O Banco do Povo firmou contrato com o Serviço Nacional e Aprendizagem Comercial (Senac) para promover a qualificação profissional de 1.155 vagas distribuídas em 25 cursos, nas áreas de informática, marketing digital, comércio e gestão, beleza, moda e gastronomia.

Já o programa de crédito solidário, iniciado hâ três meses, já beneficiou 51 microempreendedores, com o volume total de R$ 193.200 com valores de até R$ 5 mil por pessoa física e até R$ 10 mil para pessoa jurídica. Para 2022, o Banco possui R$ 2 milhões para o crédito solidário.

“Achei interessantíssimas (ações do Banco do Povo). Conhecendo o sistema de microempreendedorismo, falta mesmo o microcrédito para as pessoas que estão fazendo o empreendedorismo de base, que está fazendo o bombom ou a agricultura, que cria mesmo os processos mais micros de empreendedorismo que podem gerar (produção) em escala, e é isso que vocês proporcionam”, observa Iago Hairon.

Apoio contínuo – “Fiquei muito encantado com o projeto Donas de Si. Vejo isso muito linkado com tudo o que a gente apoiou aqui como Open Society, com o projeto de economia do cuidado, que foi lançado na segunda-feira, 30. Ver um projeto como o Donas de Si só brilha o coração, porque a Prefeitura de Belém tem um processo de apoio contínuo às mulheres empreendedoras da cidade”, completa o representante da Open.

Empoderamento econômico – “Conversamos sobre como desenvolver o Donas de Si e a política do crédito para gerar cadeias de desenvolvimento que priorizem o meio ambiente. Por exemplo, se você produz doces, geleias e compotas, de que forma pode usar embalagens sustentáveis, como gerar compostagem com resíduos de produção e como adquirir insumos da agricultura familiar sustentável”, detalha Georgina.

“O apoio da Open Society pode ajudar no empoderamento econômico com inovação das mulheres e dos cidadãos em geral de Belém”, concluiu.

“Hoje, a Open Society apoia, principalmente, organizações da sociedade civil que estão desenvolvendo ideias de desenvolvimento sustentável para a Amazônia, que não destruam a floresta e não gerem poluição. Todas essas iniciativas empreendedoras que são de base comunitária, já são sustentáveis por natureza. A gente tem que promover isso cada vez mais”, acrescenta Iago.