Usuários aprovam novo cardápio e melhorias no Restaurante Popular

Usuários aprovam novo cardápio e melhorias no Restaurante Popular

A manicure Maria do Socorro Rodrigues dos Santos, de 62 anos, todos os dias compra duas refeições no Restaurante Popular para garantir o almoço e também o jantar. A partir desta segunda-feira, 31, ela e os demais frequentadores do local já começam a usufruir das melhorias no serviço. 

O Restaurante Popular Desembargador Paulo Frota, da Prefeitura de Belém, desenvolve uma política de combate à fome ao comercializar refeições com o preço simbólico de R$ 2,00 devido ao subsídio da prefeitura e agora está com uma nova administração. 

A empresa CZN Alimentação venceu o pregão eletrônico realizado pelo Banco do Povo de Belém, órgão responsável pela manutenção do restaurante.

A administradora implementou um novo cardápio e já iniciou as melhorias no espaço do restaurante, como a revitalização da iluminação, a manutenção das tubulações, novos equipamentos e funcionários. 

“A comida está muito gostosa. Comi da carne assada com recheio de cenoura, estava ótimo, e vou jantar o peixe frito na batata palha, vou levar para a minha casa, no Distrito Industrial. Maravilhoso”, elogiou a manicure Maria do Socorro.

Já o aposentado Moisés Moraes da Silva, 62, conta que frequenta o RP há mais de 10 anos e observou as melhorias no estabelecimento. “Tá ficando legal. Vamos ver se essa empresa vai fazer melhor da que estava. O que interessa pra nós é a comida, mas a higiene também conta”. Moisés destacou a importância do Restaurante Popular para a alimentação da população de baixa renda. “Como todo dia aqui porque não tenho de onde tirar. Recebo só um salário mínimo que mal dá para a família”. 

Pelos próximos 15 dias, a partir desta segunda-feira, 31, não será possível consumir as refeições no salão do restaurante. A situação excepcional se deve à manutenção interna. Por isso, os frequentadores terão que apanhar as quentinhas para consumir em outro local. 

“Estamos implementando uma inovação nos nossos cardápios, em que a gente otimiza o paladar caseiro com as técnicas nutricionais do nosso corpo técnico. A gente quer proporcionar para cada pessoa que vier se alimentar a sensação de que está se alimentando em casa, com o tempero gostoso de mãe, aquela comida bem suculenta”, destaca a diretora técnica da empresa, Aldenize Brandão.

“Vamos servir na quentinha porque estamos dando uma melhorada no ambiente, iluminando, fazendo algumas correções que estava precisando, equipando para quando a gente reabrir o salão todo mundo se sinta mais confortável e em segurança. Estamos corrigindo também o telhado, colocando central de gás”, completa Aldenize.

O Restaurante Popular serve em média 1.100 refeições por dia, sempre no horário do almoço, de segunda a sexta-feira, das 10h às 11h, para o público de prioridade (idosos, gestantes, lactantes e pessoas com deficiência) e os demais usuários, até 14h. Ele fica localizado na rua Aristides Lobo, 290, bairro da Campina. 

Contrato e reforma

A CZN Alimentação, do Amapá, venceu a concorrência com o menor preço de R$ 6,28 por refeição. Enquanto a prestadora anterior, do Piauí, cobrava R$ 9,10 desde o contrato iniciado na gestão do ex-prefeito Zenaldo Coutinho.

O contrato com a CZN, no valor de R$ 1.989.504,00, tem vigência de 12 meses para que a empresa faça a gestão e o fornecimento de 316.800 refeições prontas, balanceadas e de qualidade com 600 a 800 calorias cada.

“O Restaurante Popular foi implantado a partir de uma política de segurança alimentar com recursos federais, mas não sofreu investimentos nas gestões anteriores. Estamos buscando a prestação de um bom serviço e com custo equilibrado, inclusive, reduzimos o custo com a licitação que fizemos”, informa a coordenadora-geral do Banco do Povo, Georgina Galvão.

“O prédio também necessita de uma reforma para oferecer instalações dignas à população”, acrescenta. A previsão é que a licitação para a obra seja aberta no próximo mês de março.

Além das refeições, a contratada tem a responsabilidade de fornecer equipamentos, funcionários e segurança, além de fazer a limpeza e manutenção do prédio do restaurante. Para isso, a empresa contratou 19 funcionários em Belém.

Uma pesquisa de satisfação está sendo realizada junto aos frequentadores do RP para monitorar a opinião sobre o serviço prestado na transição das duas empresas. Os questionários são aplicados pelos servidores da Secretaria Municipal de Saúde (Sesma) e da Coordenação de Políticas de Segurança Alimentar e Nutricional (Copsan), da Prefeitura.