O que você procura?

Donas de Si forma 40 alunos em ‘Panificação’ na Sacramenta, Barreiro e Telégrafo

• Atualizado há 1 ano ago

Quarenta alunos concluíram o curso de Panificação do programa de qualificação profissional gratuito Donas de Si, realizado pela Prefeitura de Belém, por meio do Banco do Povo. Os alunos são moradores dos bairros da Sacramenta, Telégrafo e Barreiro, atendidos pelo Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), da Fundação Papa João XXIII. A festa de encerramento foi nesta sexta-feira, 9, na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, na Sacramenta.

“Eu estou desempregada há dois anos, desde a pandemia”, conta Eliane Nogueira, 47 anos, moradora do Telégrafo, casada e mãe de dois filhos. “Fiquei muito feliz de estar aqui hoje cumprindo esse curso. Foi uma porta aberta pra mim. Um sonho realizado. Todo conhecimento é bem-vindo. Pretendo ter uma renda extra”.

Concluintes junto às instrutoras, à coordenadora do Banco do Povo, à diretora do CRAS e convidados.

Duas semanas de aprendizado

O curso teve a duração de duas semanas (40 horas-aulas) e aconteceu na sede da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, que cedeu o espaço. As aulas foram ministradas pelas professoras Glauce Vasconcelos e Gleice Vasconcelos, do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR), instituição contratada por meio do Banco do Povo.

Os alunos aprenderam a fazer vários tipos de pães, biscoitos, massas folhadas e pizza: pão de rosas, pão de sal, pastel, orelha, sonho, donut, croissant, beijo de moça e olho de boi, entre outros. Esses produtos poderão ser produzidos pelos alunos em casa, com potencial de geração de renda imediata.  

Aluna exibe o bolo confeitado que aprendeu a fazer no curso.

Contra o desemprego

“O desemprego e a pobreza são muito grandes. Para alguns, pode não parecer nada, mas para nós foi muito importante (o curso) porque nos dá uma qualificação profissional, com condição de ser inserido no mercado de trabalho e de abrir o próprio negócio”, declarou o aluno Anderson Leite. “Nos dá uma chance de reinserção social, de ter uma profissão, de sustentar a família, viver honestamente e realizar sonhos”.

A coordenadora-geral do Banco do Povo de Belém, Georgina Galvão, parabenizou os concluintes e destacou que a realização do curso é uma ação integrada com outras iniciativas da Prefeitura na área, como os projetos do Parque São Joaquim e da Nova Senador Lemos (obras de recuperação asfáltica), a retomada das obras do Residencial Neuton Miranda e as reformas das escolas Inês Maroja e Comandante Klautau.

Panetone, põ de rosas, bolo de chocolate e pizza estão entre os itens ensinados no curso.

O prefeito Edmilson Rodrigues decidiu criar o programa de renda cidadã Bora Belém para tirar as pessoas da condição de fome e, em seguida, criou o Donas de Si para trazer novas oportunidades de autonomia financeira. Além disso, ele instituiu, também por meio do Banco, o crédito solidário para apoiar os pequenos empreendedores, onde se incluem alunos do Donas de Si.

“Renda, qualificação profissional, capital para iniciar o próprio negócio: a cadeia completa de geração de renda está garantida pela Prefeitura, como forma de combater a pobreza e levar esperança e diginidade para as famílias”, destacou o prefeito Edmilson.

O evento de conclusão de curso ocorreu no salão da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Inclusão social

A diretora do CRAS Barreiro (que atende a quase 26 mil pessoas daquele bairro e de outros próximos), Leila Almeida, destacou que a inclusão social é uma das tarefas da instituição, que busca estimular o desenvolvimento da autonomia das pessoas. “A parceria foi de suma importância”.

Entre os alunos do curso, estavam pessoas atendidas pelo projeto de extensão Dores da Alma, da Universidade Federal do Pará (UFPA). A professora Simone Coelho explicou que o projeto oferece cursos e amparo jurídico a mulheres familiares de detentos e egressos do Sistema Penal e mulheres em regime de monitoramento eletrônico: “Agradeço ao Banco do Povo e à Prefeitura de Belém. A autoestima delas está elevada e já saem daqui em condições de começar a vida.Tenho aqui pessoas egressas do sistema penal que estão muito felizes”.

Representantes da Igreja, Brenda Gluk e Juliana Menezes, e a coordenadora do Banco, Georgina Galvão.

Também prestigiaram o evento o coordenador nacional da Central Movimento Popular (CMP), Paulo Cohen; a diretora de Comunicação e Assuntos Públicos, Brena Klug; e a coordenadora de Bem-estar e Autossuficiência da Igreja, Juliana Menezes. “Estamos muito felizes com a presença de vocês. O objetivo é abrir o nosso espaço para a comunidade. Estamos felizes com a oportunidade de trazer esse projeto maravilhoso, que é o Donas de Si”, disse Brenda.

Veja também