Curso de capacitação do ‘Donas de Si’ chega ao Tapanã

Curso de capacitação do ‘Donas de Si’ chega ao Tapanã

O bairro do Tapanã recebeu o curso de capacitação profissional do programa “Donas de Si”, da Prefeitura de Belém, realizado por meio do Banco do Povo de Belém, nesta segunda-feira, 12.  O curso de processamento de frutas e de produção de doces oferece 42 vagas para mulheres em condição de vulnerabilidade social, especialmente as beneficiárias do “Bora Belém”. As aulas ocorem na carreta equipada com cozinha industrial, do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e do Serviço Nacional de Aprendizagem da Indústria (Senai), que está estacionada na Paróquia Bom Jesus Samaritano.

“Com esse curso eu espero crescer mais no mercado de trabalho e conseguir fazer uma venda com os produtos que eu vou aprender a fazer”, declara Érica dos Santos, de 42 anos, beneficiária do “Bora Belém”, que é mãe de dois filhos. As alunas irão aprender a fazer compota, geleias e doces de frutas, incluindo bala de cupuaçu, batata chips e cocada, além de picles e ketchup. O curso tem duração de 40 horas-aula e emissão de certificado com validade nacional. “Eu sou autônoma e durante a pandemia caiu muito (as vendas). Com a ajuda do Bora Belém e do curso, quem sabe em um mês eu já possa crescer mais”, completa

A coordenadora-geral do Banco do Povo de Belém, Georgina Galvão, deu as boas-vindas às alunas no primeiro dia de aulas.  “O governo da nossa gente, da Prefeitura de Belém, inaugura no Tapanã duas turmas de mulheres que estão se capacitando em habilidades culinárias com o objetivo de encontrar a autonomia econômica”, destacou.

“Após o curso, a gente começa a etapa da organização para que elas se juntem e possam produzir coletivamente e a gente continuar apoiando assegurando canais de comercialização, aperfeiçoamento e outros cursos. Logo adiante, teremos a fase de preparação do empreendimento com a incubação do negócio e a testagem dos produtos em parceria com a Universidade Federal do Pará (UFPA). E, a partir do próximo semestre, se necessário, também o crédito solidário que voltaremos a operacionalizar para a implantação desses empreendimentos”, completou a coordenadora.

Outra aluna do Tapanã, Edinilza dos Santos Rosário, de 42 anos, conta que está desempregada há bastante tempo. Ela tem um filho. “Eu tenho vários cursos, aprender nunca é demais. Eu quero fazer uma venda de polpas e de sucos em casa”, revela.  As alunas foram selecionadas pelo Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) do bairro e estão distribuídas em duas turmas nos turnos da manhã e da tarde.

“A prefeitura não trabalha sozinha, sem os nossos parceiros, a gente não teria esse alcance”, destaca a coordenadora do Banco do Povo de Belém, ressaltando a parceria com Senai e Senar para a realização desse curso, e com a UFPA para a incubação de empreendimentos da economia solidária.