Banco do Povo de Belém se prepara para ofertar crédito até o fim do ano

Banco do Povo de Belém se prepara para ofertar crédito até o fim do ano

A Prefeitura de Belém, por meio do Banco do Povo de Belém, se prepara para voltar a operacionalizar o microcrédito que fez a diferença na vida da população de Belém, entre os anos de 1998 e 2004, nas gestões anteriores do prefeito Edmilson Rodrigues, efetuando empréstimos que somaram R$ 24,7 milhões.

A coordenadora-geral do órgão, Georgina Galvão, anunciou que o serviço voltará a funcionar até o final deste ano, tendo R$ 1 milhão em caixa para operações de crédito solidário (microcrédito) junto à população.

Nesta sexta-feira, 22, Georgina Galvão recebeu a visita de representantes do Ceará Credi, programa da Agência de Desenvolvimento (Adece) do governo do Ceará, e do Amazoncred, Oscip que operacionaliza microcrédito nos estados da Amazônia Legal junto ao Banco da Amazônia.

Dignidade Humana através de emprego e renda

Conceição Faheina, gerente de Políticas de Inclusão Produtiva e Financeira da Agência de Desenvolvimento do Ceará (Adece), que administra o Ceará Credi, compartilhou a experiência daquele estado, bem como a experiência que acumulou em 22 anos à frente do Crediamigo, do Banco do Nordeste, bem como de iniciativas de inclusão financeira e produtiva realizados na Amazônia, em Cabo Verde e Guiné-Bissau, na África.

“O Ceará Credi está trabalhando com o atendimento de mulheres vítimas de violência, egressos do sistema penal, pessoas com deficiência e mulheres chefes de família para retirá-los da extrema pobreza e fazer com que, nessa pandemia, retornem à dignidade humana por meio do emprego e da renda”, explicou Faheina.

“Um programa de redução da pobreza tem que trabalhar com o tripé de capacitação profissional para o desenvolvimento das habilidades, microcrédito para que possam trabalhar por conta própria e o acesso ao mercado para venda”, resumiu a gerente da Adece.

Programa com visão social

“Nós recebemos os representantes do programa Ceará Credi, que administra uma política que guarda bastante similaridade com a política daqui, do Banco do Povo de Belém. Temos pontos em comum como a visão social dos programas, trocamos metodologias de capacitação profissional e de administração do crédito, já que estamos desenhando o nosso e eles já estão operando. Foi muito útil a experiência que eles trouxeram”, informou Georgina Galvão. Toda a equipe de técnicos do Banco do Povo de Belém participou da reunião.

Os cursos de capacitação profissional do Banco do Povo de Belém formaram, até agora, 80 mulheres nos bairros do Bengui e do Tapanã, sendo a maioria beneficiária do Bora Belém, e acaba de iniciar cursos no bairro do Jurunas para 38 pessoas beneficiárias do mesmo programa de transferência de renda e também do auxílio-moradia do Promaben.

“Estamos nos preparando para iniciar o microcrédito. Se pudermos começar até o final do ano, já teremos um público para trabalhar a ideia do empreendedorismo, ver que negócios possam prosperar daí, sejam individuais ou coletivos”, explica a coordenadora do BPB.

Sistema de atendimento para microcrédito em elaboração

Atualmente, o Banco do Povo de Belém está em fase de conclusão, junto à Companhia de Tecnologia da Informação de Belém (Cinbesa), do sistema informatizado que vai operacionalizar o microcrédito. A equipe que fará o atendimento ao público está sendo treinada, o método de atendimento e de tramitação dos pedidos de empréstimo está sendo definido.

Também participaram da reunião no Banco do Povo de Belém o gerente de Operações Financeiras da Adece, Hidelvandro dos Santos Soares, e a gerente de projeto da agência, Déborah Aline de Oliveira Cosmo, além da diretora Graça Moura e da gerente de operações Brunca Sousa, do Amazoncred.